Setor Agroalimentar

Setor dos Laticínios

A fileira do leite é um dos pilares fundamentais da economia dos Açores. Devido às condições edafoclimáticas, este sector, no arquipélago dos Açores, goza de vantagens competitivas em relação a uma parte significativa do tecido produtivo do restante território português.

Em 2017 contabilizam-se, no setor primário, cerca de 2040 explorações produtoras de leite, com as ilhas de São Miguel, Terceira e São Jorge a representar respetivamente cerca de 55%, 27% e 8% do número total

Entre 2010 e 2014, a quantidade de leite de vaca entregue nas unidades industriais dos Açores manteve-se relativamente constante em torno dos 550 milhões de litros. Nos anos de 2015 e 2016, a quantidade de leite entregue ultrapassou ligeiramente os 600 milhões de litros.

São Miguel é responsável por com cerca de 65% do leite entregue, seguindo-se a Terceira com 25% e São Jorge com 3%, sendo a produtividade média das explorações destas ilhas cerca de duas a três vezes superior às registadas nas ilhas mais pequenas.

O preço do leite de vaca pago ao produtor varia consoante múltiplos critérios – incluindo fatores higieno-sanitários e geográficos – sendo que nas ilhas de maior dimensão o preço é ligeiramente mais elevado. No início de 2017, os valores médios na Região eram:

  • 0,272 €/Kg para o leite adquirido aos produtores que possuem tanque de refrigeração na própria exploração e com transporte a cargo da unidade industrial compradora;
  • 0,253€/kg para o leite adquirido aos produtores que entregam o leite em postos de receção das unidades industriais e com transporte a cargo do produtor.

No setor secundário, as industrias de lacticínios empregam diretamente cerca de 1300 trabalhadores, 60% dos quais na Ilha de São Miguel. De notar que cerca de 70% das empresas do setor empregam menos de 10 trabalhadores.

vacapastagem

Caracterização da Indústria Transformadora

Tradicionalmente a indústria dos laticínios era constituída na maior parte dos casos por pequenas unidades industriais localizadas próximas das regiões produtoras. Atualmente, e devido ao desenvolvimento das técnicas de armazenagem e preservação do leite fresco, a tendência é a concentração da produção em unidades maiores. No entanto, em algumas ilhas dos Açores verifica-se ainda a existência de pequenas indústrias de laticínios nas quais o processo de fabrico é executado de forma artesanal, nomeadamente no que respeita ao fabrico de queijo.

Produção e Comercialização

Segundo a Associação Nacional dos Industriais de Laticínios, a produção de laticínios nos Açores representou, em 2016:

  • Queijo: 50% da produção total portuguesa. Cerca de 26.600 toneladas e €114M de receitas de exportação.
  • Leite empacotado: 31% do total do leite de vaca comercializado em Portugal. Mais de 119.400 toneladas e cerca de €54M de receitas de exportação.
  • Leite em pó: 75% do total da produção portuguesa. Cerca de 17.000 toneladas e mais de €40M de receitas de exportação.
  • Manteiga: 25% do total da produção portuguesa. Cerca de 10.700 toneladas e mais de €36M de receitas de exportação.

Em 2016, foram produzidos 136,5 milhões de litros de leite, 96,96% do qual no formato UHT. A Ilha de São Miguel foi responsável por 84% da produção, enquanto a ilha Terceira representou 14%.

O Leite UHT Meio-Gordo representa 85% do total da produção UHT, sendo que as variantes magro e gordo representam 10% e 4%, respetivamente.

Entre os restantes laticínios, o queijo é o produto que apresenta maiores níveis de produção na Região, representando 42% do total de 2016. 

Os produtos subsequentes na hierarquia são: Leite em Pó (22%); Soro de Leite (19%), Manteiga (16%); Yogurt (0,7%); e Natas (0,3%).

Fatores Críticos de Sucesso

  • Pastoreio dos animais durante todos os meses do ano;
  • Melhores qualidades nutricionais e dietéticas do leite (nestes parâmetros, o leite dos Açores está entre os melhores da Europa): 

Comparação de 9 amostras de queijo (g/100 g FA)

Ácidos gordos

Açores

Portugal Continental

Ácido Palmítico

28,2

31,2

Ácido Vacénico

2,20

1,40

Ácido Ruménico

0,87

0,60

Omega 3

0,70

0,41

n-6/n-3

2,4

6,0

  • Todas as explorações leiteiras estão sujeitas ao Plano de Controlo do Leite Cru;
  • Todos os produtores são certificados e as estruturas de produção estão de acordo com os regulamentos territoriais e ambientais;
  • São efetuadas Inspeções periódicas para verificação de todos os parâmetros de higiene e saúde do leite;
  • Precipitação média anual elevada (mais de 1.000mm por ano), equilibradamente distribuída ao longo do ano;
  • Clima atlântico com temperaturas médias moderadamente amenas;
  • Produtividade do solo garantida ao longo do ano;
  • Sistemas de abastecimento de água sem interrupções durante o ano e com custos virtualmente nulos para as explorações agrícolas;
  • Recursos humanos com educação superior específica para o setor;
  • Existência de marcas de reconhecida qualidade;
  • Certificação e reconhecimento geográfico dos produtos finais;
  • Atrativos incentivos ao investimento e à criação de postos de trabalho.

 pastagem1

Potencial por Explorar

  • Departamento de Ciências Agrárias – Universidade dos Açores. Fornece educação superior e desenvolvimento de capacidades para recursos humanos no setor da agricultura, com cerca de 450 estudantes matriculados no departamento e com 1400 licenciados nos últimos 5 anos;
  • Centro de Investigação e Tecnologias Agrárias dos Açores (CITA - A) – unidade de investigação e serviços no campo das ciências agrícolas e ambientais;
  • Centro de Biotecnologia dos Açores (CBA) – dirige a investigação nas áreas da Biotecnologia Agrícola, Biotecnologia Animal, Biotecnologia Vegetal, Biotecnologia Alimentar e Biotecnologia Ambiental;
  • Laboratório Regional de Veterinária – contribui para a segurança alimentar e saúde animal nos Açores. Realiza exames e testes laboratoriais para controlo dos produtos animais;
  • Incremento de valor acrescentado dos produtos finais através de diferentes técnicas de transformação, e bem assim, de incorporação/melhoramento das suas propriedades organoléticas, funcionais, ou outras, mais valorizadas pelo mercado.
  • Parcerias de Excelência com Centros de Investigação & Desenvolvimento, nomeadamente: Universidade dos Açores; Centro de Investigação e Tecnologias Agrárias dos Açores – CITA; INOVA e Fundação Gaspar Frutuoso. Estas instituições possuem recursos alocados à exploração de novas potencialidades no setor agroalimentar.
  • Potencial de inovação. Mercado para produtos com alta incorporação de leite, especialmente através de parcerias estratégicas com outros produtos alimentares (ex.: chocolate; iogurte de fruta; suplementos desportivos e dietéticos, etc.);
  • Potencial para a “Certificação Biológica” da produção de leite e a sua contribuição para acrescentar valor aos produtos finais (uma vez que a produção interna é insuficiente, a maioria do leite biológico vendido em Portugal é importado da França);
  • Novas tendências no mercado: Nutracêutica
    • É considerada por alguns como uma nova disciplina científica e resulta da combinação dos termos "nutrição" e "farmacêutica". Estuda os componentes fitoquímicos presentes nos alimentos, com vista a descobrir os seus benefícios médicos e de saúde, ou seja, aliar o valor nutricional dos produtos a um valor terapêutico.
    • A MarketsandMarkets estima que o mercado de ingredientes nutracêuticos crescerá de €22,1 bilhões em 2013 para €31,3 bilhões em 2018.
    • Atualmente, os Açores dispõe de diversos incentivos financeiros para a Investigação & Desenvolvimento, que podem ser usados com fonte de financiamento para novos projetos que explorem as potencialidades deste mercado.
  • Crescimento avolumado do mercado mundial dos Probióticos. 
    • Segundo a Organização Mundial de Saúde, os probióticos são organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro: têm efeitos sobre o equilíbrio bacteriano intestinal, controle do colesterol e redução do risco de cancro.
    •  Em 2016, a Euromonitor International valorizou este mercado em cerca de €40 bilhões.
    • A maioria dos probióticos são distribuídos transformados em iogurte (76% das vendas), apesar da distribuição via suplementos (10% das vendas) estar em rápido crescimento. Os produtos de leite fermentado são responsáveis por 14% das vendas.
    • Também, segundo a mesma fonte, o atual mercado dos suplementos alimentares probióticos (€4 bilhões) terá um crescimento de 38% entre 2016 e 2021. No futuro, prevê-se que o crescimento das vendas destes suplementos ultrapasse as das restantes categorias, incluindo glucosamina, multivitaminas, cálcio, ômega-3s, CoQ10 e proteína.
    • Na Europa, Itália é de longe o maior mercado para os suplementos (€500 milhões), seguida por Rússia (€177 milhões), França (€104 milhões), Polônia (€72 milhões) e Alemanha (€64 milhões).

Pecuária

A carne açoriana possui certificação de Indicação Geográfica Protegida (IGP) - os animais são alimentados quase exclusivamente no pasto, assegurando a qualidade da carne. 

pastagem

 Outras Oportunidades

  • Os Açores são o único local da Europa que produz chá a nível industrial.
  • Possuem três regiões vitivinícolas bem definidas, onde se produzem vinhos certificados com reconhecimento internacional.
  • Os Açores são um dos principais produtores de Próteas da U.E.

Para os segmentos de mercado que procuram tipicidade, identidade natural e qualidade, os Açores podem oferecer produtos naturais e artesanais de qualidade:

  • Refrigerantes e Águas Minerais;
  • Licores;
  • Conservas;
  • Frutas (Ananás e Maracujá);
  • Produtos Artesanais (compotas e curtumes).

Marca Açores

Os produtos açorianos podem estar associados a esta marca agregadora e beneficiar de:

  • Identificação regional da origem dos produtos, sinónimo de qualidade;
  • Diferenciação do produto devido aos excelentes atributos dos Açores – natureza, altos valores ambientais, diversidade e exclusividade natural;
  • Aumentar o valor acrescentado dos produtos e serviços açorianos, estimulando a sua preferência;
  • Campanhas de comunicação e marketing da marca, com uma contribuição inquestionável para o aumento da visibilidade dos produtos e serviços associados;
  • Contribuições para as exportações e crescimento dos produtos.

marcacores

 Consulte a nossa apresentação dirigida ao Setor Agroalimentar